O Rio de Janeiro poderá ter, em breve, um novo autódromo. Na segunda-feira (4), um grupo de empresas entregou à prefeitura um projeto que pretende utilizar um terreno cedido pelo Exército em Deodoro, região oeste da cidade, para a construção do novo circuito. As informações são do Globoesporte.com.


De acordo com a publicação, o investimento previsto é de R$ 850 milhões, mas apenas de dinheiro privado, sem nenhuma participação de dinheiro público. A ideia é que a pista seja extremamente moderna e alcance o nível 1 das Federações Internacionais de Automobilismo e Motociclismo, o que daria ao circuito a possibilidade de receber provas de Fórmula 1 e MotoGP.


O Globoesporte.com ainda divulgou que o desenho da pista tem 5.386 metros e foi feito pelo arquiteto alemão Hermann Tilke, responsável pelos traçados de diversas pistas que compõem atualmente o calendário da F1, como Austin (Estados Unidos), Sakhir (Bahrein), Sochi (Rússia), Xangai (China) e Yas Marina (Emirados Árabes Unidos).


A prefeitura tem até 60 dias para publicar um edital e esperar que haja interessados numa possível concorrência para poder seguir os passos seguintes. Se tudo correr da melhor maneira possível, a estimativa é que a construção comece no início de 2019 e seja concluída no final de 2020.




Vale lembrar que o Rio de Janeiro sempre teve o Autódromo de Jacarepaguá, que chegou a receber a Fórmula 1 por dez vezes entre as décadas de 1970 e 1980. O circuito, no entanto, foi parcialmente destruído em 2004 para a construção de instalações visando os Jogos Pan-Americanos de 2007. Em 2012, o autódromo foi fechado de vez para dar lugar a obras do Parque Olímpico que foi utilizado nos Jogos Olímpicos de 2016.